A rotatividade no mercado de trabalho em tempos de quarentena

Na série de entrevistas Futuro do trabalho pós pandemia promovida pelo portal de capacitação profissional Trilhas do Sucesso o entrevistado Elso Melo, diretor da Capital Contabilidade, com experiência de 25 anos como contador e uma carteira de clientes dos mais variados setores compartilha os desafios dos empregadores, dos empregados e dos candidatos a uma vaga de trabalho nesse momento do isolamento social. Como fica a rotatividade no mercado de trabalho em tempo de pandemia.

Quem conduz a entrevista é o Diretor do Portal Trilhas do Sucesso, o empresário Carlos Vasconcelos e começa a conversa apresentando o papel da contabilidade na intermediação das relações de trabalho, na aplicação correta dos contratos das empresas, da garantia de manter os CNPJ’s na legalidade através das orientações fiscais e até nas funções de recursos humanos como contratação e demissão de funcionários. Tudo isso faz com que a tomada de decisões do empregador seja mais assertiva e a saúde de empresa garantida.

Embora não seja função da contabilidade é comum também que o trabalhador recorra a ela para tirada de dúvidas sobre impostos, férias e licenças.

Sobre um panorama geral das empresas do Distrito Federal, mais especificamente Brasília, onde a Capital Contabilidade tem sua sede, no início da pandemia foi aquele um susto. O mercado foi tomado pelo medo. Depois, dia após dia as coisas foram se acomodando e alguns estabelecimentos fecharam parcialmente e outros que estavam em vias de fechar deram uma guinada no faturamento. As farmácias em geral aumentaram o volume de vendas. Só o álcool gel já garantiu esse movimento. Alguns restaurantes pensaram em demitir com medo de não conseguirem honrar os compromissos e mediante orientação contábil, aguardaram esse primeiro momento e conseguiram evitar demissões graças ao delivery e também à retirada da refeição no local. Além das drogarias e os delivery, os supermercados e as revendas de cestas básicas cresceram muito nesse tempos de pandemia.

Sobre os maiores desafios dos empregadores antes da pandemia, Elso acredita que seria a falta de dedicação no exercício da função. Em geral, trabalhadores desmotivados a espera do seguro desemprego. “Um trabalhador resiliente pode aprender a galgar degraus dentro da própria empresa. A formação e qualificação profissional são muito importantes nesse processo, mas não são tudo. Tem o componente da dedicação. Do empenho”, avalia Elso.

Nesse período, ao entrarem em home office as empresas puderam sentir quais as funções são essenciais e quais não são. É como se a quarentena fizesse um raio X das empresas, em seus setores, funcionários e sua produtividade.

Como se manter versátil no mercado de trabalho

O funcionário que faz a diferença no ambiente de trabalho no caso das pequenas e médias empresas é aquele mais versátil. Diferente de uma indústria onde cada um faz apenas uma determinada função, na maioria das pequenas e médias empresas a versatilidade garante que um único funcionário dê conta também das pequenas tarefas que são essenciais, mas que não justificam uma nova contratação. Para se ter um leque maior de oportunidades, os cursos rápidos de habilidades específicas são a dica de ouro. São elas muitas vezes, que fazem a diferença até mesmo entre candidatos com nível superior.

Carlos Vasconcelos que é graduado em turismo relembra de quando chegou em Brasília recém formado para estagiar em uma vaga no Ministério do Turismo e para sua surpresa seu diploma naquele ambiente era só mais um e competia com mestrandos e doutorandos. Foi quando soube de uma vaga para quem dominasse o Corel Draw e em um final de semana se desdobrou para estar competitivo até a data da entrevista na semana seguinte. Não foi seu diploma que o manteve competitivo, mas um curso rápido e teoricamente sem relação direta com sua primeira formação.

Além da qualificação e capacitação profissional outra característica fundamental que conta muito na hora de escolher um profissional é bom relacionamento no ambiente de trabalho.

“Eu considero esse aspecto como 50% do peso na hora de contratar até porque as ferramentas estão mudando o tempo todo, mas a forma com que a pessoa se posiciona faz muita diferença”, justiça Elso que parou apenas um dia durante a quarentena. As cerca de 9 medidas provisórias decretadas pelo governo demandaram de muito estudo para que ele pudesse orientar seus clientes.

“Eu senti que a falta de orientação do governo, de como se adequar a esse novo desafio deixou o empresário e comerciante meio perdido, por isso nós temos que auxiliá-los neste momento”, observa.

As relações presenciais devem mudar a partir de agora, cada estado com suas peculiaridades e assumindo os novos protocolos sanitários e de distanciamento social.

Mais do que nunca a formação continuada deve ser uma aliada para escapar da rotatividade no mercado de trabalho em tempo de pandemia. Quanto mais específicos os conhecimentos e habilidades, mais insubstituível será o trabalhador.

Carlos lembra que no Portal Trilhas do Sucesso os cursos de capacitação e de qualificação profissional são divididos em seis habilidades técnicas que vão de competências mais técnicas como Excel e Power Point à habilidades mais emocionais como os cursos de Gestão de crise, Gestão do tempo e Atendimento do cliente.

Para conhecer os cursos do Trilhas do Sucesso acesse: https://trilhasdosucesso.com.br/