Reportagens

Qualificação: Mulheres ainda veem mais dificuldade para crescer

Aprenda a deixar seu currículo perfeito, impossível de ser ignorado.

Cadastre-se e pegue o seu e-book agora! É grátis.

qualificacao
Qualificação desproporcional de gênero

Pesquisa divulgada pela empresa de tecnologia para recrutamentos InfoJobs mostra que 73,7% das mulheres sentem que precisam ter mais qualificação do que os homens para ter uma oportunidade de cargo de liderança.

A pesquisa, feita na semana passada, teve como base 3 mil respostas de profissionais cadastrados no site.

De acordo com quase metade das entrevistadas, menos de um décimo dos cargos de liderança da empresa em que estão, são ocupados por mulheres.

O levantamento mostra ainda que 70,4% das mulheres entrevistadas acreditam que o preconceito de gênero impacta em processos seletivos de áreas como engenharia e tecnologia. No caso de mulheres que são recrutadoras, 69,2% acreditam que o viés de gênero impacta nessas áreas.

Entre as entrevistadas, 77,8% responderam que a empresa atual não realiza processos seletivos às cegas para que o gênero não influencie na contratação.

Outros dados do levantamento mostram que 51,1% das mulheres já enfrentaram preconceito no mercado de trabalho. E 85,8% das entrevistadas têm dupla jornada de trabalho, com a realização de atividades domésticas.

Segundo a pesquisa, os pontos que mais fazem as mulheres continuarem na empresa são:

  • plano de carreira (43,4%)
  • pacote de benefícios (18,1%)
  • horário flexível (15%)
  • trabalho remoto (4,1%)
  • ferramentas digitais (2,6%)

Pretensão salarial

Nas faixas salariais maiores (acima de R$ 10 mil), os homens têm maior pretensão salarial que as mulheres em sete das 10 áreas analisadas, mesmo com formação ou cargos semelhantes, com destaque para recursos humanos e administração.

Por outro lado, nas áreas de serviços gerais e TI, a pretensão salarial das mulheres é maior que a dos homens.

Em relação aos cargos de liderança, 2,3% das mulheres esperam ganhar acima de R$ 10 mil, contra 5,2% dos homens.

Foram analisados 681.562 currículos da base de dados, atualizados nos últimos seis meses, dos quais 381.240 são de mulheres e 300.322 de homens.




O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *